Página principal Literacia Financeira Produtos e serviços financeiros Crédito aos consumidores Cartão de crédito: aumento do plafond e formas de pagamento

Cartão de crédito: aumento do plafond e formas de pagamento

16-02-2018

Imagine-se a seguinte situação: um consumidor tem um cartão de crédito com um limite ou plafond de €3.000,00.

A instituição de crédito altera de forma unilateral as condições contratuais e aumenta o plafond do cartão para €5.000,00.

Esta é uma situação recorrente, são muitos os consumidores a questionarem a DECO se este alteração é o possível e sobretudo se é legal.  O Tribunal da Relação de Lisboa veio recentemente a decidir que a alteração que leva ao aumento do plafond, e que não tenha sido celebrada por escrito e devidamente assinada pelo consumidor e credor é nula. (ou seja não possui validade legal).

Com efeito, o Decreto-Lei nº 133/2009, de 2 de junho determina que “os contratos de crédito devem ser exarados em papel ou noutro suporte duradouro, em condições de inteira legibilidade”, devendo especificar, de forma clara e concisa, “o montante total do crédito e as condições de utilização”.

Neste sentido, o contrato é nulo (não produz efeitos)  se não observar os requisitos anteriormente referidos. A falta de redução do contrato a escrito presume-se imputável ao credor e a invalidade do contrato só pode ser invocada pelo consumidor.

O consumidor pode, portanto, invocar a nulidade da alteração ao contrato que não tenha sido reduzida a escrito, e não conste em papel ou outro suporte duradouro devidamente assinado pelos contraentes (partes).

No caso do exemplo o limite do cartão de crédito (plafond) é reduzido ao montante inicialmente concedido (ou seja, os €3.000,00), mantendo o consumidor o direito a realizar o pagamento nas condições inicialmente acordadas.

Contudo, cabe realçar este ponto: mesmo sendo a alteração nula, o consumidor terá que pagar o montante utilizado no cartão de crédito.

O pagamento poderá ser feito através dos meios habituais de pagamento (débito direto, transferência, pagamento por referência Multibanco, etc.)

Caso o consumidor não tenha disponibilidade financeira para pagar a totalidade do saldo utilizado, por norma pode optar pelo pagamento parcial do saldo do cartão de crédito, com a imposição de um montante ou de uma percentagem mínima.

Importa referir que, por norma, o pagamento do montante mínimo amortiza pouco capital (daí alguns consumidores se queixarem de que a dívida não diminui). Para amortizar mais capital, tem de ser feito um pagamento acima do montante mínimo referido no extrato mensal.

E se o consumidor não tiver interesse em continuar a utilizar o cartão e quiser apenas pagar a dívida do cartão?

Nesse caso, o Gabinete de Proteção Financeira  da DECO aconselha que o consumidor contacte a instituição de crédito (de preferência através de carta registada com aviso de receção) e faça um pedido de reestruturação do cartão de crédito.

Basicamente, pede que o cartão seja cancelado e o saldo utilizado seja convertido num crédito pessoal (funciona como se a instituição de crédito lhe estivesse fazer um empréstimo para pagar a dívida do cartão de crédito).

A vantagem desta operação reside na redução da taxa de juro. Obviamente, convém que analise a TAEG (Taxa Anual Efetiva Global), o prazo e o MTIC (Montante Total Imputado ao Consumidor) antes de aceitar qualquer acordo, para verificar se de facto é vantajoso (se necessário entre em contacto connosco). 

Via de regra, cartões de crédito antigos têm taxas de juro mais elevadas e, ao “converter” o cartão num crédito pessoal, a instituição de crédito está limitada às taxas máximas que são fixadas trimestralmente pelo Banco de Portugal.

 

Acórdão do Tribunal da Relação de Lisboa 74963/15.5YIPRT.L1-2

 

Não hesite em contactar-nos, pessoalmente, através do Portal do GAS  (apoio ao sobre-endividado e orientação económica)  ou para o seguinte email:gas@deco.pt   ou  gas.norte@deco.pt

Partilhe