Dia da Mundial da Poupança

31-10-2020

Nesta data procura-se consciencializar os cidadãos para a necessidade de poupar, valorizando-se cada vez mais a informação e formação como instrumento crucial para a capacitação dos consumidores em matéria de literacia financeira.

Uma gestão responsável das finanças pessoais permite que o consumidor esteja prevenido sobre situações pouco transparentes e até ilegais na área da concessão de crédito. Se o consumidor privilegiar o acto de poupar, o recurso ao crédito para fazer face a despesas correntes torna-se particamente dispensável na vida da sua família.

O Gabinete de Proteção Financeira da DECO pretende neste Dia mundial da Poupança alertar para o crescente número de burlas relacionadas com falsos intermediários de crédito que contribuem para o agravamento da situação financeira das famílias.

O consumidor que pretenda recorrer a um intermediário para obter um crédito deverá estar bem esclarecido para que não saia enganado por falsos profissionais.

Saber quem são os intermediários de crédito?

O intermediário de crédito apresenta ou propõe contratos de crédito ao consumidor, presta-lhe assistência nos atos preparatórios de contratos de crédito, ainda que não tenham sido apresentados ou propostos por si. Presta, portanto, serviços de consultoria, através da emissão de recomendações personalizadas sobre contratos de crédito.

Cuidados a ter

Antes de contratar, confirme se o nome profissional do intermediário que está inserido na lista do Banco de Portugal e consulte as categorias de intermediários de crédito. A lei consagra 3 categorias de intermediários de crédito:

Intermediário de crédito vinculado – atua como intermediário de crédito em nome e sob a responsabilidade total e incondicional do mutuante(s) (por exemplo, instituição de crédito) com quem tenha celebrado contrato de vinculação.

Intermediário de crédito a título acessório – fornece bens ou serviços e que, em nome e sob responsabilidade total e incondicional do mutuante(s), atua como intermediário de crédito, tendo em vista a venda dos bens ou serviços por si oferecidos.

Intermediário de crédito não vinculado – atua como intermediário de crédito sem que tenha celebrado contrato de vinculação com qualquer mutuante. Este intermediário celebra um contrato com o consumidor, onde são estabelecidos os termos e as condições da prestação de serviços de intermediação de crédito.

Sinais de alerta:
  • Solicitação de dados pessoais, inclusivamente informações bancárias nos primeiros contactos;
  • Pedidos de entrega de dinheiro para adiantar o processo de obtenção do crédito;
  • Promessas de concessão garantida e imediata de crédito.

 


No dia mundial da  poupança relembramos algumas  dicas para poupar e sair a ganhar:
  • Avalie os seus rendimentos: o que recebe e o que gasta e faça o orçamento familiar
  • Identifique gastos desnecessários
  • Controle o peso das prestações de crédito – não devem ser superiores a 35% do rendimento
  • Planeie uma poupança com objetivos concretos e em família

Para mais informações ou aconselhamento, não hesite em contactar-nos  telefonicamente, para os nºs  213 710 238 /  22 339 19 61 ou por email: gas@deco.pt ou gas.norte@deco.pt

Partilhe