Página principal Literacia Financeira ESPAÇO CONSUMIDOR Espaço consumidor: a cessão (venda) de crédito

Espaço consumidor: a cessão (venda) de crédito

29-07-2020

Uma consumidora coloca-nos a seguinte questão:

A minha mãe está reformada por invalidez e recebe 300 euros. Deve dinheiro ao banco, mas não está no Banco de Portugal e atualmente não tem conta bancária.  Recebe a reforma,  que levanta nos correios. Ela tem é este ano contrato de arrendamento,  luz e água em nome dela. Como posso provar que a minha mãe não consegue pagar?

O Gabinete de Proteção Financeira da DECO esclarece:

Nestes tempos que vivemos muitas dificuldades surgiram, e situações de incumprimento contratual começaram a aparecer.

Desemprego, perda de rendimentos laborais, ou acréscimo de ‘contas para pagar’, foram alguns dos motivos que levaram a que os consumidores deixassem de poder fazer face aos seus pagamentos creditícios.

Aquando de situações de incumprimento, muitos são os relatos em que os consumidores se veem confrontados com empresas de cobranças que, na sua grande maioria, têm abordagens inquisitórias e incisivas com vista à recuperação de valores em dívida e capital.

Mas o que é a cessão de crédito e como podemos compreendê-la e abordá-la da melhor forma?

É isso que iremos explicar neste artigo, de uma forma sucinta e percetível.

A cessão de crédito, ocorre, quando existe um incumprimento substancial no passado (alguns meses sem pagar a prestação mensal do crédito). Após algum tempo sem conseguir fazer face aos pagamentos, o banco começa a efetuar contactos com o cliente, de forma a tentar perceber o que levou àquela situação e como poderá ser encontrada ‘uma chave’ para a sua solução.

Porém, importa referir um importante ponto: neste caminho, em que o banco contacta o cliente e refere que se este, no momento atual, não pode pagar a prestação por completo, deposite ‘x’, não significa que não está em incumprimento perante a instituição!

Vários são os testemunhos que referem que fizeram ‘um acordo com o banco’. Nada mais erróneo. O facto de não pagar a prestação por completo, mas depositar valores mensalmente, não o salvaguarda no caso da cessão de crédito, pois perante o banco continua a existir incumprimento, uma vez que não está a conseguir pagar a prestação por completo, apesar de depositar algum dinheiro.

Assim, só não está em incumprimento com o banco se pagar a prestação por completo, ou fizer um acordo (por escrito e com uma cópia para si), normalmente sempre integrado no PARI ou PERSI (Plano Ação para o Risco de Incumprimento / Plano Extrajudicial de Resolução de Situações de Incumprimento).

Como tal, a cessão de crédito pode acontecer caso exista incumprimento prolongado, e sim, os bancos podem transmitir os seus dados pessoais a empresas externas de cobranças, pois aquando da assinatura do contrato de crédito, por norma, existe uma cláusula que permite ao banco, ceder os seus dados a empresas de cobrança em caso de incumprimento.


Logo, se está em incumprimento e foi contactado por uma destas empresas deverá:

  • Contactar a referida empresa e questionar qual a origem da dívida, e qual o seu montante certo.
  • Pedir que lhe facultem estes dados por carta ou email. Não aceite que seja por telefone, pois ao ter toda esta informação por escrito, é uma garantia para si, em caso de a empresa dar ‘o dito por não dito’.
  • Caso comece a encetar negociações para pagamento da dívida, lembre-se sempre de ir guardando toda a documentação inerente (emails, cartas, mensagens telefónicas). Nunca é demais relembrar, que a sua segurança depende da sua prudência!
  • Após o acordo ser feito, peça a entidade e referência para pagamento mensal.

SEMANA DOS AVÓS: INFORMAMOS E ALERTAMOS PARA O APOIAR! 

 


Para mais informações ou dúvidas, não hesite em contactar-nos, telefonicamente, para os nºs  213 710 238 /  22 339 19 61 ou por email: gas@deco.pt ou gas.norte@deco.pt

MS

Partilhe