Página principal Notícias Natal: época de consumo economicamente responsável

Natal: época de consumo economicamente responsável

23-11-2018

A Quadra Natalícia  é,  naturalmente, a época  que promove o consumo.

Durante esta época festiva, os apelos ao consumo intensificam-se e os consumidores encontram-se mais vulneráveis à persuasão das estratégias de publicidade, sendo mais frequentes os comportamentos de compra impulsivos e irrefletidos.

Esta é uma época festiva em que o  incentivo ao consumo está presente  um pouco por todo o lado. No que toca aos  gastos, as prendas dominam as despesas seguindo-se a alimentação e bebidas com o consequente impacto na carteira  no final deste período. De facto os dados do Gabinete de Apoio ao Sobre-endividado da DECO demonstram uma tendência de aumento anual do número de pedidos de apoio no mês de Janeiro, situação devida, em grande parte, ao endividamento registado na quadra festiva que se inicia.

Adicionalmente, o contexto atual de otimismo generalizado dos últimos tempos  e o maior incentivo generalizado de recurso ao crédito, que se tem manifestado por superiores índices de concessão de crédito ao consumo e mesmo de crédito à habitaçlão, exigem  cuidados acrescidos por parte de todos os consumidores.

Desta forma, a DECO considera indispensável alertar os consumidores para a necessidade de um planeamento cuidado dos gastos durante a época festiva que se inicia, de forma a promover uma gestão ajustada do orçamento disponível e, acima de tudo, prevenir situações de endividamento excessivo.

Para tal, a DECO aconselha a:

a)      Elaboração do Orçamento Mensal:

⇒ Este deve ser um comportamento normal de planeamento financeiro que permite assegurar uma gestão eficaz dos rendimentos disponíveis;

⇒ Permite identificar qual o saldo disponível após o pagamento de todos os encargos mensais obrigatórios – no fundo, o saldo disponível para a realização de gastos extra, como os gastos natalícios.

b)      Elaboração do Orçamento Natalício:

Deve contemplar um planeamento dos gastos com presentes, alimentação, decoração e eventos sociais;

Presentes:

⇒ Evite compras de última hora e por impulso;

⇒ Efetue comparações de preços e opções disponíveis;

⇒ Definir lista de pessoas a quem oferecer presentes e quais os valores a despender;

⇒ Efetuar compras online – comportamento que permite uma comparação de preços e opções mais cuidada, evita gastos com deslocações e uma tomada de decisão mais ponderada;

⇒ Outras sugestões: oferta de presentes em conjunto (dividindo os gastos) ou oferta de um presente por família ou até apenas às crianças; utilização de jogo “amigo secreto”; elaborar os próprios presentes para oferta; envie cartões eletrónicos a fim de reduzir encargos.

Alimentação:

⇒ Planeamento antecipado das refeições festivas, de forma a limitar o gasto total e a encontrar alternativas mais económicas;

⇒ Distribuir responsabilidades gastronómicas pelos membros da família, com o propósito de repartir os custos;

Decoração:

⇒ Recicle e procure inovar na decoração com originalidade, recorrendo aos objetos decorativos que utilizou nos anos anteriores.

Eventos Sociais:

⇒  Procure realizar festas e jantares de amigos em casa e partilhe os gastos.

Estas são algumas estratégias que poderão contribuir para uma gestão mais eficaz do orçamento disponível e para a prevenção do endividamento excessivo, evitando problemas de instabilidade financeira no início de 2019.

Nota: O  subsídio de Natal não deve ser todo utilizado para esta quadra e deverá ser destinado  para duas grandes áreas nas  compras natalícias e na  poupança, sendo  uma parte  para os  imprevistos  e outra parte para acautelar o futuro, investir o dinheiro.

·

 

Partilhe