Página principal Notícias A DECO e os SERVIÇOS SOCIAIS DA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA celebram um protocolo

A DECO e os SERVIÇOS SOCIAIS DA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA celebram um protocolo

26-05-2021

A DECO e os Serviços Sociais da Polícia de Segurança Pública (SSPSP) celebraram um Protocolo de colaboração no âmbito do apoio ao consumidor sobre-endividado e da orientação económica do consumidor.

Com esta parceria os beneficiários dos SSPSP têm acesso gratuito ao atendimento realizado pelos especialistas da DECO em questões de Orientação Económica e de Sobre-endividamento nas instalações da Associação (DECO Minho, DECO Norte, DECO Centro, DECO Ribatejo e Oeste, Sede (Lisboa), DECO Alentejo, DECO Algarve e DECO Madeira).

Mais valias para os beneficiários da PSP

Para além da prestação de informação e orientação aos consumidores, quando necessário, o Gabinete de Proteção Financeira (GPF), após a análise da situação específica do consumidor, poderá intervir junto das entidades credoras com o objetivo de se efetuar uma reestruturação das dívidas e encontrar formas que permitam ao consumidor cumprir com as suas obrigações financeiras.

Para além disso, a DECO realizará sessões informativas dirigidas aos beneficiários dos SSPSP sobre diversas temáticas relevantes na vida dos consumidores e com impacto na estabilidade financeira das famílias.

Esta colaboração permite cumprir um dos principais objectivos do GPF da DECO: reforçar a informação financeira ao consumidor, considerando que este é o único caminho para conduzir as famílias a uma compreensão mais clara dos diferentes produtos financeiros disponíveis no mercado, tornando-as mais competentes na avaliação das vantagens e riscos dos mesmos.

Papel do Gabinete de Proteção Financeira

O GPF presta informação especializada e apoia os consumidores em situação de endividamento ou com dificuldades financeiras, através do aconselhamento e orientação na gestão das suas finanças pessoais.

Este também analisa a situação socioeconómica do consumidor endividado e, quando tal se justifica, contacta as entidades credoras no sentido de efetuar uma reestruturação dos contratos de crédito e/ou dívidas e encontrar formas práticas de o consumidor conseguir cumprir com as suas obrigações financeiras.

Partilhe